Por: Weslen Máximo 

 

Ouça a entrevista com o maestro Marcos Damasceno. Parte 1 | Parte 2

 

Fancabra – Fanfarra Municipal de Casa Branca (SP), volta com suas atividades musicais após 15 anos em hiato. A informação foi divulgada em um evento no Centro Integrado de Cultura, na terça-feira (25).

 

O conjunto musical integrou mais de 200 músicos da cidade entre os anos de 1998 e 2002, sob o comando do maestro Marcos Damasceno, de 49 anos, que retorna com o projeto em 2017, comemorando 30 anos de carreira.

 

Segundo o maestro, o início da Fancabra foi na Escola Industrial (Etec), quando o diretor da época cedeu o espaço para os ensaios serem realizados. Os instrumentos eram velhos e foram doados por escolas da cidade. A primeira apresentação foi no desfile do aniversário de Casa Branca, em outubro de 1998. Foi municipalizada por lei, no ano seguinte.

 

Em 1999, já participou no Campeonato Estadual de Fanfarras, em Serra Negra (SP) e classificou para a final, em São Roque (SP). Não se sagrou campeã, mas o desempenho dos casa-branquenses foi uma surpresa para os músicos. “Na época ainda estávamos ‘engatinhando’ e nós fomos a título de participação mesmo. Mas de quatorze fanfarras da nossa categoria na época, nós ficamos em oitavo”, disse Damasceno.

 

Em 2000, Casa Branca participou novamente do Estadual e conseguiu a classificação para o Campeonato Nacional. Algo inédito no município. No torneio brasileiro, em novembro daquele ano, a Fancabra novamente surpreendeu os adversários, sagrando-se campeã, na cidade de Campo Grande (MS).

 

Não se contentando com o primeiro título, os músicos da “capital estadual da jabuticaba”, continuaram ensaiando para conquistar mais campeonatos. Em 2001 e 2002, a Fancabra ganhou novamente o torneio nacional, sendo tri-campeã, consecutiva. (Finais em Goiânia – GO e Volta Redonda – RJ, respectivamente).

 

Ao todo, foram 15 campeonatos conquistados em quatro anos. Eram tantos títulos individuais e coletivos, que uma das dificuldades era levar os troféus para o ônibus. “Nós pegamos um carrinho de supermercado para colocar os troféus no ônibus. Era um monte de troféus”, brinca o maestro.

 

Por que acabou?

A Fancabra realizou atividades até 2002, ou seja, encerrou no auge. Marcos Damasceno diz que acabou o apoio da prefeitura na época, alegando não ter dinheiro para investir. Um dos investimentos do executivo era bancar as viagens do grupo.

 

“Foi um domingo muito triste. Eu lembro que pedi ao Padre Dú se ele me emprestava o salão [do Santuário do Desterro] para fazer uma reunião com a fanfarra porque eu tinha que anunciar o final dela. Ele me emprestou e vieram os pais e todos [músicos], e anunciei que não tinha mais condições e foi uma choradeira”, recorda Damasceno.

 

Depois do encerramento, os músicos só se reuniram mais uma vez. Foi no casamento do maestro, em 2005. Uma homenagem para sua esposa.

 

O que é a Fanfarra?

Uma fanfarra funciona com instrumentos de percussão e sopro. Para o maestro, um grupo pode ser formado em média por 30 pessoas. As músicas tocadas tradicionalmente são as populares.

 

‘Pelo Amor de Deus, toquem Ana Júlia’

A música da banda Los Hermanos foi sucesso no final da década de 90 e início dos anos 2000 e marcou a Fancabra. Marcos Damasceno conta que sempre gostava de tocar músicas populares. Na época, Ana Júlia era hit nacional, e uma das poucas fanfarras que tocavam essa canção era Casa Branca. E isso rendeu diversos shows. “Eu ia para algumas apresentações na região e às vezes a fanfarra estava desembarcando e o pessoal se trocando, e vinha o organizador perguntando: ‘Vocês vão tocar Ana Júlia, né?’”, conta ele em tom humorado.

 

De volta aos trabalhos

“Hoje, eu acordei com um sentimento de dever cumprido. Foi tirado isso da gente na época e não foram só eles [músicos] que sofreram, eu também sofri. Mas hoje eu tenho um sentimento de dever cumprido, de reconhecimento”, comenta Damasceno sobre a volta da Fancabra.

 

Após 15 anos em hiato, o maestro retorna aos ensaios para qualquer pessoa, a partir de 8 anos, que queira participar do grupo. O anúncio foi feito na terça-feira (25) pelo prefeito Marco Cesar, em evento no Centro Integrado de Cultura (CIC) da cidade, que fica na estação velha, antiga prefeitura.

 

É neste local que os alunos poderão aprender a tocar os instrumentos musicais e resgatar a história da Fancabra. Está disponível para todos, equipamentos para 70 músicos.

 

Para se inscrever, é necessário levar um comprovante de endereço, CPF e RG.

 

O CIC está aberto em horário comercial, na Praça Rui Barbosa, Centro.

 

O projeto conta com o apoio do executivo.

 

Apresentação Especial

Para comemorar a volta das atividades, o maestro revela que o antigo grupo da Fancabra, irá se reencontrar para uma apresentação especial durante as festividades deste ano do aniversário de Casa Branca, em outubro.