Por: Weslen Máximo 

 

Ouça a matéria. Clique Aqui!

 

Há uma semana, a mãe Luana Augusto e seus três filhos pequenos (de 9 e 12 anos e um bebê de 6 meses), moram em um cômodo nos fundos da residência onde funciona o atendimento da “Saúde do Idoso”, em Casa Branca (SP). É neste local que o Centro de Referencia de Assistência Social (CRAS), instalou temporariamente essa família, após a mesma pedir ajuda.

 

O problema é que esse cômodo está com rachaduras na parede. Em uma delas, que fica praticamente em cima do berço do bebê, da pra ver até o outro lado. O chão está oco em alguns locais e quando chove, a água desce pela parede, próximo a cabeceira de uma das duas camas. (Veja fotos abaixo)

 

As rachaduras estão aumentando a cada chuva que passa. Tem uma goteira... Na verdade, não é uma goteira. Escorre mesmo água pela parede! O chão está bem oco. Está bem visível que o risco aqui é grande”, disse a mãe. 

 

Solteira e desempregada por causa do bebê, Luana e seus filhos estavam vivendo nos fundos de uma ONG, mas lá também não era apropriado para morar. A justiça determinou aos órgãos competentes, que colocassem a família em outro lugar. Conseguiram esse cômodo, de forma temporária, até que a mãe fosse selecionada para participar do benefício “Aluguel Social”, que é lei municipal.

 

À Difusora, a mãe diz que trabalhava na roça e pagava aluguel, mas o serviço não era registrado. Depois da gravidez de risco, não conseguiu mais pagar as contas e pediu ajuda para os departamentos sociais.

 

Já os pais das três crianças não moram com eles. E apenas um, paga pensão. A mãe não sabe onde estão os outros dois e, portanto, não foram notificados para o pagamento da pensão alimentícia.

 

Luana quer a oportunidade de voltar a trabalhar. Emocionada, ela revela estar impotente nessa situação. “Eu queria, na verdade, um emprego para cuidar dos meus filhos. Porque é difícil estar numa situação dessas, né? E eles assim, vendo eu nessa situação e sem eu poder fazer nada, me sinto impotente como mãe”, explicou.

 

Prefeitura

Na quinta-feira (22), a coordenadora do Centro de Referencia de Assistência Social, Thamires Lopes, explicou que a família está sendo atendida pelos departamentos sociais da prefeitura e disse que Luana e seus filhos recebem alguns benefícios de programas sociais como o Bolsa Família.

 

Thamires revelou que o “Aluguel Social” foi solicitado pela mãe, mas como é uma lei nova, até quinta-feira ainda estava em processo de adaptação. Por isso, foi pedido para que Luana aguardasse no máximo 25 dias no cômodo até que o benefício fosse liberado.

 

A reportagem da Difusora mostrou fotos do local para Thamires, que também visitou o abrigo temporário. O jornalista Weslen Máximo perguntou por qual motivo os departamentos sociais colocaram a família nesse lugar, sabendo dos problemas estruturais? Falta de opção foi a resposta. “Foi o único lugar que nós tínhamos disponível para adequar a família, para colocar ela num lugar seguro... [Mas esse cômodo é um lugar seguro? Novamente questionou o jornalista]; Então, mais do que [o lugar] onde a família estava”, respondeu a coordenadora.

 

Thamires também concorda que o cômodo é um lugar inadequado para a família, mas que Luana aceitou ficar temporariamente.  “Não é a melhor segurança para ela, mas de fato ela mesma verbalizou que [o cômodo] era melhor do que onde ela estava”, disse.

 

Interdição

A Defesa Civil informou que o cômodo foi interditado por problemas estruturais, após averiguação.

 

Conselho Tutelar

O coordenador Danilo Rodrigues, informou que foi feito o acompanhamento da situação da família, verificando que o local em que as crianças estavam, antes da família mudar para o cômodo, era de risco. Sendo assim, aconselhou os órgãos competentes a transferir as crianças para um lugar seguro.

 

Casa Nova

A mãe e seus três filhos conseguiram a liberação do “Aluguel Social” na quinta-feira (22), e eles terão um novo lar por alguns meses. Segundo Thamires, a família poderia fazer a mudança ainda nesta sexta-feira (23).

 

Atualização

A Difusora entrou em contato com Luana nesta tarde para saber se já havia ocupado a nova casa. Ela informou que ainda não foi possível por causa de problemas burocráticos da residência, mas que na próxima terça-feira (27), já poderá fazer a mudança. No momento, ela se encontra na casa da mãe.

 

Também nesta tarde, Thamires Lopes confirmou a informação e disse que a mãe de Luana aceitou ficar com a filha até que casa esteja disponível.

 

Aluguel Social

Entenda como funciona: http://www.camaracasabranca.sp.gov.br/leisordinarias/pdf/2017/3476.pdf

 

Veja fotos abaixo: