Ao Vivo
 
 
Siga ao vivo

Saúde

Sem chuvas, Aguaí decreta crise hídrica

Sem chuvas, Aguaí decreta crise hídrica

Por: Weslen Máximo    Está oficialmente decretada “crise hídrica” em Aguaí (SP). O documento foi assinado entre a prefeitura da cidade e o Governo do Estado de São Paulo. Nessa situação, a administração pública pode solicitar apoio de órgãos estaduais e desapropriar áreas particulares que tenham rios ou açudes.   Mesmo com a medida, a prefeitura não adotou o racionamento de água. A justificativa é que, na última vez que houve o corte, a população armazenou muita água em casa de forma irregular, resultando em vários casos de dengue.   Obras Em entrevista ao site G1, o secretário municipal de obras e planejamento, Daniel Garcia Cobra, disse que a prefeitura tem realizado ações para manter o abastecimento. A administração anunciou que está realizando intervenções na represa onde ocorre a captação de água, com aprofundamento das margens, por meio de drenagem e desassoreamento.   O governador Geraldo Alckmin assinou o decreto de crise hídrica em Aguaí, no último 6 de outubro e tem validade de 180 dias.   Região Já estão racionando água: Casa Branca e Santa Cruz das Palmeiras. Caconde também aderiu à medida e decretou “estado de emergência”.   Em Américo Brasiliense, um carro de som contratado pela prefeitura, passa pelas ruas da cidade, solicitando a população o consumo consciente de água.   Fonte: G1 São Carlos e Araraquara
Casa Branca: racionamento começa nesta sexta-feira

Casa Branca: racionamento começa nesta sexta-feira

Por: Weslen Máximo   Casa Branca (SP) começa a fazer o racionamento de água a partir desta sexta-feira (15). A informação foi confirmada por funcionários da prefeitura. Segundo informações obtidas pela Difusora, o corte no fornecimento será todos os dias, das 6h às 16h.   Casa Branca é a terceira cidade da região a adotar essa medida. Caconde e Santa Cruz das Palmeiras já haviam anunciado o racionamento.   Crise Hídrica   Em 2014, os moradores enfrentaram um racionamento que durou cerca de seis meses, deixando a população sem água por um dia inteiro. A principal represa da cidade operava com 10% e o manancial secou, decretando situação de emergência. As escolas tiveram aulas suspensas, e caminhões-pipa abasteciam os hospitais.   Em agosto de 2015, a cidade também sofreu com a falta de chuva. Essa foi a última vez que Casa Branca adotou o racionamento.